LARANJEIRAS um "Muséu a Céu Aberto"

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Museu A Céu Aberto V

EU SEI QUE VOCÊ SABE QUE EU SEI

Há tempos atrás fizemos crítica aos vereadores de Laranjeiras, tachando-os de “mucamos da palha da cana”, neste texto pretendemos aprofundar o tema, tendo como referencia as mudanças sociais ocorridas a partir de 1930, período de domínio político da palha da cana até o presente.
Fonte: google imagem
O tempo presente, diz respeito ao movimento anti-palha-da-cana, em Laranjeiras, que vem se fortalecendo com a liberdade de expressão assegurada pela Constituição Federal e favorecida pela mídia e pelas redes sociais. Hoje, qualquer laranjeirense pode livremente expressar sua opinião, fazer sua crítica, qualquer um pode ser um repórter, fotografar ou filmar um acontecimento e lançar na rede, e assim ampliar a informação e o esclarecimento de todos, contribuindo para a formação de opinião do conhecimento político e conseqüentemente exercitar a cidadania laranjeirense. A nosso ver, este fato, corresponde ao segundo momento de libertação dos escravos em Laranjeiras.   


Até as décadas de 50 e 60, Laranjeiras era uma sociedade praticamente fechada, as possibilidades educacionais eram muito precárias, existia apenas o ginásio, Possidânia Bragança, as oportunidades educacionais, mais amplias, estavam na capital, Aracaju, cujo acesso era por trem, uma verdadeira viagem. Poucas foram às famílias da terra que conseguiram a façanha de dar uma educação técnica e/ou superior a seus filhos.
Entre as décadas de 70 e 80 o acesso rodoviário foi estabelecido, grandes empresas se instalaram no município como FAFEN, CIMESA, e outras. Nesse período também, foi fundada a 1ª escola de 2ª grau da nossa cidade, o colégio Zizinha Guimarães. As classes populares laranjeirenses, até então, não tinham acesso à educação de 2º grau, a rede municipal de educação era constituída, sobretudo, de professores leigos, haja vista que, a exaltada escola da mais famosa professora laranjeirense, Profª Zizinha Guimarães, destinava-se a educação das elites. Como já afirmara o sábio Francis Bacon: SABER É PODER. O povo de Laranjeiras sem acesso ao saber não tinha poder.
 Neste contexto, as funções administrativas, políticas e sociais eram exercidas pelas mesmas pessoas, que só trocavam de lugar, um dia secretário de educação, no outro secretário de cultura, no outro diretor de escola, no outro diretor do hospital; os mesários nas eleições eram os mesmos, as mesas apuradoras eram constituídas pelas mesmas caras e assim por diante. Os mesmos elementos se revezavam nas diversas funções. Todos naturalmente servidores fiéis do poder da palha da cana, recebendo os melhores salários, conseqüentemente habitando as melhores casas, possuindo automóveis e outros bens, considerados, desse modo, “vencedores privilegiados”, em meio à fome e a miséria do resto da população. Esta, por eles, considerada “carente”, a mercê da “caridade” e da “boa vontade” do governo palha da cana.  
Ainda hoje, veja o preço de um voto e de um apoio político em nossa cidade! Foi nesse universo sócio econômico político cultural e educacional que foi formada a mentalidade e o caráter destes que hoje constituem a câmara de vereadores de Laranjeiras. O que se pode esperar desses vereadores e dessa geração?! Ai daquele que ouse discordar desse esquema!
O governo da palha da cana nunca trabalhou efetivamente pela qualidade da educação do município. O Zizinha Guimarães é resultado do empenho do Coronel Sizino, que era militar. A regularização da documentação do terreno dessa escola, pela palha da cana, necessária para o seu reconhecimento se arrastou durante anos. O professorado se alternou durante anos entre contratados, estagiários, de formação adicional e os profissionais de outras áreas a título precário. A partir do momento da instituição do concurso público para o magistério, os professores concursados lotados aqui, permaneciam o tempo requerido pelo estagio probatório, fim do qual pediam transferência. Diante deste quadro de pouco empenho relativo ao ensino do 2º grau, a opinião corrente da comunidade era que o ensino do Zizinha não valia nada, ninguém aprendia nada, todo mundo passava colando, embora o Zizinha tenha contribuído efetivamente para formação dos professores que, hoje, compõe a base da rede municipal de educação e para a constituição da mão de obra comerciaria, industriaria e de serviços local.
Fonte: Google imagem

A constituição de 1988 trouxe varias mudanças, a universalização da educação básica, a exigência que, em 10 anos, todos os professores tivessem nível superior, programas de qualificação dos docentes em serviços, programas de dinheiro direto na escola, o atual FUNDEB, etc. Paralelamente, a isso, vieram os programas de combate a desigualdade social, pela geração e distribuição de renda, como o bolsa escola, o PRONAF e muitos outros que deram certo grau de autonomia a população com relação à prefeitura e aos políticos.
 Aqui, em Laranjeiras, a principal transformação ocorreu durante a gestão de João da Varzinhas, a meados da década de 90, quando foi realizado o primeiro concurso para acesso ao serviço público municipal. A partir de aí, Laranjeiras se abre para o mundo pela democratização do acesso ao serviço público, e o apadrinhamento político perde força. Nossa cidade passou a contar com a colaboração de servidores de outros lugares, de outra mentalidade e outra compreensão da realidade política e social.
Retomando a questão dos “mucamos da palha da cana e a geração da qual eles são parte, estes continuam pensando e atuando como se estivessem parados no tempo, lá em 1900 e antigamente, no tempo em que os coronéis comportavam-se como se a municipalidade fosse uma extensão da sua propriedade particular e que dela podiam dispor em seu próprio proveito.
E a gente “acompanha de fora” o esforço que os políticos dessa geração fazem para manter este estado de coisas, cujo procedimento básico é o fisiologismo, o toma lá da cá, a fidelização do eleitorado - “o eleitor de cabresto”. Enquanto isso, as transformações continuam ocorrendo no Brasil e no mundo, chagando a Laranjeiras através dos programas do Governo Federal, alguns já referidos acima, como também a presença do MINISTÉRIO PÚBLICO, A INFORMATIZAÇÃO DO PROCESSO ELEITORAL, A LEI DE AJUSTE FISCAL, A EXIGÊNCIA DE TRANSPARÊNCIA DAS CONTAS PÚBLICAS. Tanto isso é real, que Laranjeiras por meio dessas transformações já teve até um prefeito cassado, por improbidade administrativa. E para coroar tudo isso, iluminando toda essa realidade temos a chegada das universidades, da educação a distancia, ou seja, A PLENA LIBERTAÇÃO DE LARANJEIRAS ESTÁ SE EFETIVANDO. Concluindo bem patrioticamente: “E O SOL DA LIBERDADE EM RAIOS FUGIDOS ESTÁ BRILHANDO NO CÉU DE LARANJEIRAS NESTE ISNTANTE”.
E como diz nosso rei Roberto Carlos: A FELICIDADE UM DIA VEM. Não se enganem senhores políticos da palha da cana, ou vocês se transformam ou perdem o bonde da história, aliás, hoje, a história não anda mais de bonde, é conduzida pela fibra ótica e navega na internet, e nós, A JUVENTUDE, que buscamos um novo futuro para Laranjeiras, ESTAMOS DE OLHO E FAZEMOS A NOSSA PARTE, que DE PRINCIPIO É PENSAR! Como já dizia René Descartes: PENSO LOGO EXISTO, Pensando Queremos Existir Politicamente!                         

Laranjeiras, agosto de 2011
Movimento antipalhadacana
antipalhadacana@gmail.com

2 comentários:

  1. Realmente Laranjeiras já foi um celeiro de cultura, hoje é celeiro de corrupção, pobreza e todas as formas de violência. Os políticos pagam por votos, a prefeita é semi-analfabeta (não tem o primeiro grau completo). O nepotismo impera há muito tempo aí... o que esperar de uma administração desta

    ResponderExcluir
  2. Muito bom este texto, vcs estao de parabens...precisamos unir força para expulsar a palha da cana do poder da nossa cidade, será a nossa única salvaçao..
    É uma pena...mas a realidade é que virão + 4 anos de mandos e desmandos da palha da cana e suas crias...:S:S:S:S...que tristezaaaaa!!!

    ResponderExcluir