LARANJEIRAS um "Muséu a Céu Aberto"

terça-feira, 21 de junho de 2011

PROFESSORES UNIDOS JAMAIS SERÃO VENCIDOS

Por uma Laranjeiras de todos e para todos

No dia 8 de maio publicamos aqui neste blog uma crítica referente ao descaso dos vereadores por nossa cidade, que tinha como tema a seguinte pergunta: REPRESENTANTES DO POVO OU MUCAMOS DA PALHA DA CANA? A resposta veio um mês depois, no dia em que eles  votaram o projeto do reajuste salarial dos professores municipais.
Eles, de novo, desfavoreceram os professores, conseqüentemente a educação em geral, incluindo os estudantes. Temos de agradecer aos 4 vereadores, João Ferreira, Zé Bodega, Janio e Gardênia, que votaram a favor dos direitos da categoria. Os demais provaram que nasceram para ser “mucamos” da palha da cana. Também, temos de REPUDIAR a esses ” traíras” do povo, em especial a prefeita IONE SOBRAL que se diz professora, realmente deu aula de “RELIGIÃO” aqui na nossa cidade. E, a vereadora CEIÇA, essa é professora titulada, inclusive tem até uma denuncia contra ela, visto que, mesmo com o atual mandato continua recebendo o salário de professora do município, além dos fortes comentários que ela estava de licença, mas para não receber as chicotadas da palha da cana, da Boa Sorte, foi votar contra os profissionais da educação.   
Também, dissemos no texto anterior que a transformação está chegando, mesmo que em passos lentos. Há alguns anos, houve uma luta da população contra a corrupção e os desmandos da palha da cana da varzinhas, onde a justiça saiu vitoriosa, e a cidade ganhou o primeiro prefeito cassado da sua história. Hoje, mais uma vez, o povo laranjeirense mostrou que já não está apático com as atrocidades ocorridas aqui. Saíram às ruas a exercer sua cidadania, cobrando seus direitos.
Os professores fizeram um grande movimento contra a falta de respeito para com sua classe. Fizeram uns bonecos simbólicos, representando a prefeita e seus mucamos – vereadores traidores do povo -, passearam pelas ruas da cidade, vestindo negro, segurando velas e cruzes nas mãos em procissão, chegando à frente da prefeitura queimando a esses Judas.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

O esporte de Laranjeiras Suplica Vida

Por Uma Laranjeiras De Todos e Para Todos

Graças ao Governo Federal alguns dos nossos patrimônios históricos estão se recuperando. A pequena parte já restaurada – prédios situados na rua do mercado – está lindíssima. Os que estão acomodados pela UFS terão sua manutenção. No entanto, nos preocupa os que ficarão a disposição da prefeitura, como este “Bureaux” - em nosso bom português:  escritório de informação turística-, isto que, somos testemunhas de que tudo que surge em nossa cidade só sobrevive durante o mandato daquele que o apadrinhou.   
Exemplos são muitos: O Clube Recreativo Antonio Carlos Franco, o SESI, O Campo da Matança, a Casa João Ribeiro, deixemos aqui, visto que, a lista é enorme, senão, não teremos espaço para descrever alguns dos problemas que vêm incomodando há muito tempo. Todos os problemas expostos até agora são realmente graves, impedem o desenvolvimento da nossa cidade. Entretanto, existem outros, os quais também são de suma importância, como o trato dado ao esporte do nosso município.
Além de está cientificamente provado por especialistas que o esporte é uma das melhores alternativas de ócio para a população, principalmente para os jovens, haja vista, sociabiliza, educa e é fundamental para a saúde. A Lei Orgânica do município diz:
 “Art. 7º - COMPETE AO MUNICÍPIO:
XIV. Realizar programas de apoio às práticas desportivas.”
SEÇÃO II
DA POLÍTICA EDUCACIONAL, CULTURAL E DESPORTISTA
“Art. 167 É vedada ao Município a subvenção de entidades desportivas profissionais.
Art. 166 – O Município fomentará as práticas desportivas, especialmente nas escolas a ele pertencentes.
Art. 168 – O Município incentivará o lazer, como forma de promoção social.

Os campeonatos seguem sem nenhum incentivo, muitos andam inconformados com o boato que corre, de que os blocos de micareme receberam 30 mil reais para seus gastos, nada contra, essa festa não deve parar, forma parte da nossa cultura, mas é inadmissível que se ofereça MIL REAIS ao campeão de Futsal da cidade. A festa do micareme serão apenas 2 dias, nosso campeonato durará meses, e além do mais, mil reais não cobre nem um bom fardamento para uma equipe. Sem falar que os donos dos clubes não podem nem agradar seus atletas, como por exemplo, pagar um lance para eles depois das partidas. A lei é bem clara, ainda que, alguns vereadores a digam RELATIVA. É obrigação do município realizar, promover, e fomentar o esporte na cidade, inclusive a lei não proíbe a possibilidade de ajuda financeira aos clubes, já que, em Laranjeiras, hoje por hoje, não existe equipe profissional.
Porque o esporte a cada mandato é mais menosprezado? Para se ter uma noção os times tradicionais da cidade já não existem, o único que ainda luta para não desaparecer é o “São Paulo de Guido”. Porque não existe mais as competições entre as escolas do município? A única resposta lógica a essa pergunta é que enquanto o nosso “museu a céu aberto” seja governado por gestores extremamente ambiciosos e egoístas, estaremos iguais que caranguejo, caminhando para trás. Posto que, entra e sai palha da cana, nossos principais pontos de práticas desportivos seguem abandonados.
  O SESI: o mato toma conta do campo, os vestuários estão abandonados, as equipes da cidade se vestem atrás das traves, os visitantes na arquibancada. No ginásio os banheiros estão destruídos, vazamento por todo lado, isso, nos poucos que ainda tem água, claro! O teto está cheio de buracos, sem falar no calor insuportável pela sua estrutura sulista. E, para completar o cenário de desmazelo total ao esporte, muitas vezes, os poucos jovens que levam o esporte no sangue e na raça têm de ceder o espaço, para eventos que deveriam ser realizados no Centro de Tradição, no Clube Recreativo, num auditório ou mesmo num teatro, este último se ainda existisse em nossa cidade.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

LARANJEIRAS SUBMERGIDA NO TEMPO



Oh querida Laranjeiras, cidade que no passado sustentou quase todo estado sergipano, cidade símbolo no que se refere à cultura popular, cidade natal de grandes políticos, poetas, pintores, entre outros.
Foto encontrada no google imagens


A história de Laranjeiras se resume somente a este exceto acima, ou melhor, nossa “Atenas Sergipana” só é representada no passado, se perguntamos a qualquer cidadão laranjeirense a história de sua cidade, ele irá responder praticamente a mesma ladainha, já que, apresentar Laranjeiras no presente é uma vergonha. Pode ter certeza que se questionar há um laranjeirense sobre sua cidade hoje ele irá ter bastante assunto em âmbitos muito diferentes, porém, terá em suma outros temas que não seja o passado, os quais alguns disseminarei em seguida:

LARANJEIRAS NO ÂMBITO ADMINISTRATIVO
 Falar de nossos administradores é bastante vergonhoso, não temos motivos para nos orgulhar de nenhuma administração desde muito tempo, temos apenas duas características para eles: corruptos e egocêntricos, já nossos legisladores, ah... a vergonha é ainda maior, eles não são legisladores, são apenas “capachos” do poder executivo, legislam somente para os poderosos e não para o povo, digamos que estes políticos são as “traças” da nossa querida Laranjeiras.

LARANJEIRAS NO ÂMBITO INTELECTUAL
Muitos não sabem o que faz um Secretário de Educação, o nome é óbvio, porém, em Laranjeiras eles não trabalham para a educação, somente para os projetos advindos de fora, aliás, as verbas provindas para a educação, que raramente vão para onde devem ir. Vocês acreditam que nosso município, mesmo com a sua grandiosa verba, possui apenas uma biblioteca municipal? Isso mesmo! Apenas uma velha e desatualizada biblioteca. O corpo escolar, ah! esse é uma vergonha ainda maior, pois professores e alunos são desvalorizados, ambos considerados por administradores como uma peso a ser carregado nas costas, ao invés de serem valorizados como uma solução futurista. Também não podemos esquecer-nos do transporte estudantil para a capital, na qual os estudantes são SELECIONADOS para poderem usufruir deste direito.