LARANJEIRAS um "Muséu a Céu Aberto"

domingo, 11 de março de 2012

Por Uma Laranjeiras DE Todos e PARA Todos: RÉPLICA AO “LEGISLADOR V”

RÉPLICA AO “LEGISLADOR V”

A propósito da avaliação feita pelo “LEGISLADOR V” sobre o ano eleitoral 2012, no C4 do JORNAL GAZETA DO COTINGUIBA - EDIÇÃO 118 - DE 15 FEVEREIRO A 15 DE MARÇO DE 2012, onde, também, fez questão de  lembrar aos “CRÍTICOS DE PLANTÃO”: “que não comparecem as sessões na CML, mas fazem comentários infundados e negativos sobre os  seus parlamentares”, o movimento Anti Palha da Cana, colocando-se no lugar do cidadão comum, indaga como e para quem dirigir a indignação ou a admiração quanto ao governo municipal?
Para o cidadão comum, morador de Laranjeiras, usuário dos serviços prestados pela a administração municipal, é inevitável e desejável que ele tenha uma avaliação da qualidade desses serviços e queira expressá-la. No entanto, parece que o vereador não vê esse exercício de cidadania com bons olhos, com isso ele está estimulando à omissão, o descompromisso, à falta de cidadania.
Por certo, ele não deve: PERDER horas a fio na fila do correio, PERDER prazo de pagamento por ter a correspondência extraviada, FAZER uso do transporte público, nem CHEGAR atrasado ao trabalho e a seus compromissos pela má qualidade deste serviço, FICAR dias sem água em casa como acontece nas periferias do município, como na Salina, por exemplo, SER ATINGIDO E INCOMODADO pela inexistência de um serviço de trânsito que impeça menores de conduzir veículos motorizados, motos sem documentação e de procedência duvidosa circulando na cidade sem fiscalização. SENTIR-SE constrangido pela dificuldade de acesso a sua residência em dias de festa; tão pouco, FAZER feira em Laranjeiras para saber o que é circular espremendo-se e esgueirando-se de feirantes, cestos de frutas no chão, barracas, carrinhos, carro de mão, equilibrando-se com sacolas, guarda-chuva, criança, sobre as pedras escorregadias, poças d’água, cascas de fruta jogadas ao chão, numa área que não tem mais condições para comportá-la, não sabemos o que a PML[i] e a CML[ii] esperam para deliberarem uma solução; assim, como ele não deve FAZER uso do sistema educacional da nossa cidade, então não tem de conviver com professores e funcionários da educação mal remunerados e insatisfeitos. E esses são, apenas, uns poucos exemplos dos quais o LEGISLADOR V avalia de “comentários infundados e negativos”.

segunda-feira, 5 de março de 2012

APOIO AOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE LARANJEIRAS


Paulo Freire um grande, um contemporâneo que se fez valer por seu conteúdo sócio-humanístico. Vislumbrou o ponto fundamental para uma grande transformação social. Qual seria na sua concepção a arma mais poderosa? Isso mesmo! A EDUCAÇAO.  E uma das figuras mais importante nesse contexto é o professor, é ele  que orienta e instrui os futuros cidadãos. Portanto, caros colegas, está chegando à hora de fazer-nos valer pelo nosso trabalho.
Este chamado é direcionado aos professores do município de Laranjeiras, profissionais que vêm sendo massacrados pela administração pública. Uma gestão incompetente que não faz outra coisa que copiar o pior que surge em termos administrativos por ai e implantar aqui.
Há, mais ou menos, três gestões atrás, a categoria de professores desta cidade não recebia mais que um singelo salário mínimo, quem não lembra a última gestão do esposo da atual prefeita? Que até hoje deve o famoso décimo de 96. Pois é, senhores docentes, tudo que vocês conquistaram até agora, uma pífia melhora de salário, se deve a luta externa, luta de profissionais Brasil a fora, posto que, vemos os de nossa cidade teimando em permanecer submissos a Palha da Cana.   
E ao fazermos essa afirmação, logo nos lembramos do 7 de setembro de 2011, quando, ao invés destes estarem no “manifesto” – em defesa de si mesmos - da luta em prol da respeitabilidade para com sua categoria, estavam organizando o desfilo da “hipocrisia cívica”, para agradar a atual gestora. Essa que já havia solicitado aos Vereadores a efetiva votação frente a punir a quem cuida, instrui e orienta os filhos dos laranjeirenses.